Banco Central dos Emirados Árabes Unidos vai lançar sua própria criptomoeda

O Banco Central dos Emirados Árabes Unidos deu início ao seu plano de criar um CBDC. Com isso, a instituição busca motivar os bancos comerciais e processadores de pagamentos do país a começarem a participar da emissão da criptomoeda. O regulador do novo Dirham Digital comentou que o token deverá ser adotado por todas as instituições financeiras licenciadas (LFI) dos Emirados Árabes Unidos com o prazo de dois anos, sendo previsto para 2026.

O CBUAE busca encorajar todos os bancos comerciais e processadores de pagamentos do país a participarem da introdução da nova criptomoeda no país. 

Com isso, todas as instituições que participarem do processo deverão demonstrar prontidão para a integração e emissão do Digital Dirham e se desenvolver para usar o token em casos de uso que necessitem de ‘sandbox’. 

Além disso, a instituição destacou que o CBUAE também está concentrado em fazer com que o Dirham Digital seja desenvolvido para uso doméstico. Os Emirados Árabes Unidos fizeram uma grande mudança nas suas transações. Isso ao fazer um pagamento das dívidas que possuía com a China utilizando o seu token CBDC.

Há alguns meses, os Emirados Árabes Unidos anunciaram que fariam o lançamento de uma estratégia. Nesse sentido, esta estratégia visa fornecer uma infraestrutura e tecnologia para emitir a sua moeda digital. 

Na semana passada, o banco explicou tudo isso e, em um comunicado, disse que a implementação do CBDC por meio da estratégia “The Digital Dirham” faz parte das principais iniciativas do Programa de Transformação de Infraestrutura Financeira do País.

Trajetória para implementação do novo token em três pilares


A introdução do CBDC dos Emirados Árabes Unidos faz parte do projeto Programa de Transformação da Infraestrutura Financeira, que consiste em nove atividades. Com isso, os desenvolvedores do projeto estabeleceram três pilares de construção no período de doze a quinze meses. 

No primeiro pilar, por exemplo, o banco visa ajudar nas transações transfronteiriças em tempo real para conseguir liquidar os negócios internacionais através do lançamento preliminar do ‘mBridge’.  Com essa plataforma, o banco chegou a enviar US$ 13,6 milhões em dirhams digitais e yuans digitais para a China em fevereiro. Isso fez com que o banco fosse o primeiro a fazer uma transação transfronteiriça desse modelo. 

O segundo passo é o lançamento de esforços de prova de conceito para pontes da nova criptomoeda com a Índia, no qual o Reserve Bank utiliza uma tecnologia inovadora para proteger a confidencialidade do CBDC emergente.  Por fim, o banco busca trabalhar na prova de conceito para que o novo token seja usado domesticamente. Com isso, grandes empresas e investidores comuns poderão fazer uso da criptomoeda.

Desenvolvedores do CBDC possuem parcerias estratégicas para promover a criptomoeda


O Banco Central dos Emirados Árabes é um dos membros do Projeto mBridge que é muito conhecido por ser o primeiro experimento prático em criptomoedas de bancos centrais transfronteiriços.  O Projeto Aber também destacou que a instituição teve colaboração com o Banco Central Saudita. Isso fez com que o CBUAE tivesse um bom desempenho nessa abordagem.

Segundo informações compartilhadas pela empresa global de serviços profissionais EY, por exemplo, o CBUAE está fazendo com que os bancos comerciais e provedores de pagamentos digitais participem de testes para a integração do seu novo token. 

Nesse mês, o banco fez um anúncio em que tornou público os acordos realizados com o R3 e G42, que possui sede em Abu Dhabi. Em primeiro momento, a instituição determinou que o plano para execução deveria durar entre 12 a 15 meses. No mês de outubro, o G42 concretizou um acordo com a OpenAI. Com isso, vai existir uma grande colaboração em projetos no setor financeiro, indústria energética, saúde e serviços públicos. 

Por outro lado, no entanto, a R3 possui um papel muito importante para criar a moeda digital CBDC com uma tecnologia inovadora. A empresa é a desenvolvedora da plataforma blockchain autorizada Corda.  Além disso, a R3 também teve participação em grandes projetos com o Banco de Compensações Internacionais, juntamente com outras iniciativas. 

Novo CBDC possui grande utilidade


O governador do Banco Central do Emirados Árabes, Khaled Mohamed Balama, comentou como o novo token pode ajudar no processo de digitalização e aumentar o acesso dos cidadãos aos serviços financeiros. Balama afirmou que a nova criptomoeda apresenta grandes possibilidades à sociedade e à economia em geral e que está ansioso para isso.

Por fim, a meta de construir uma infraestrutura de ativos digitais nos Emirados Árabes Unidos é atingível. No momento, o token possui um plano de alcançar US$ 250 milhões, segundo a publicação feita pela Bridge Tower Capital no mês passado. A empresa é muito conhecida no Oriente Médio e a mesma está buscando trabalhar fortemente para aumentar o uso institucional da criptomoeda. 

Além disso, com o grande objetivo de melhorar a infraestrutura do país, a CBUAE também afirma que está preparando a nação para um futuro em que qualquer cidadão possa usar tokens baseados em blockchain para fazer transações financeiras e não financeiras.

As criptomoedas estão ganhando grande força no mercado e conquistando a confiança do público em geral. Com isso, os governos estão cada vez mais atentos para desenvolver novos tokens utilizando a tecnologia da blockchain e digitalização em seus sistemas financeiros existentes. 

Mesmo que existam vários países que demonstram interesse em introduzir novas tecnologias digitais, os Emirados Árabes Unidos têm se destacado por ser o primeiro regulador a iniciar sua trajetória com um plano bem posicionado. 

Leia mais: