04 Ago 2022 · 3 min read

Bancos portugueses param de oferecer serviços a corretoras de criptomoedas

Source: Adobe/Wilfried-R.

 

Vários bancos portugueses começaram a fechar contas de exchanges de criptomoedas por motivos relacionados ao “gerenciamento de risco” – e o banco central do país parece ter dado sua bênção às instituições financeiras.

Portugal ganhou a reputação de paraíso criptográfico nos últimos anos, devido ao fato de não impor um imposto sobre ganhos de capital sobre ganhos relacionados a criptomoedas. Mas nos últimos meses, o governo e o setor financeiro parecem ter se interessado em regular as criptomoedas de acordo com outras nações da UE.

De acordo com o Expresso, assim como o Jornal de Negocios e a Bloomberg, uma lista de bancos – incluindo os pesos pesados ​​Banco Comercial Português (BCP) e Banco Santander, bem como Caixa Geral de Depósitos, BiG e Abanca – fecharam contas pertencentes a pelo menos quatro exchanges de criptomoedas domésticas.

As exchanges estão todas registradas no Banco Central de Portugal, que policia as plataformas domésticas de negociação de criptomoedas. A identidade de três das exchanges foi revelada como Criptoloja, Mind The Coin e Luso Digital Assets, com uma quarta pedindo anonimato na mídia.

O Governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, foi citado como tendo afirmado que as instituições financeiras têm o poder de fazer o que bem entendem, mas acrescentou que está “a acompanhar o assunto”.

O banco central foi ainda citado como explicando:

“A decisão de abrir ou continuar a oferecer serviços de conta bancária depende, nesses casos, das políticas de gestão de risco que cada instituição bancária implementa.”

A supervisão das bolsas pelo Banco de Portugal passa por assegurar que as plataformas combatem o branqueamento de capitais e o financiamento do terrorismo. A regulamentação adicional para o setor de criptomoedas ainda não foi desenvolvida.

O BCP disse à Bloomberg que o seu dever é “informar as autoridades competentes sempre que detete ‘transações suspeitas’, o que pode também determinar a cessação de relações bancárias com determinadas entidades”.

Um porta-voz do Santander, por sua vez, acrescentou que geralmente atua “de acordo com sua percepção de risco” e que as decisões de fechar, abrir ou manter contas dependem de “vários fatores”.

A CriptoLoja foi citada explicando que sempre cumpriu os protocolos de lavagem de dinheiro conforme exigido e acrescentou:

“Agora temos que contar com o uso de contas fora de Portugal para administrar a bolsa.”

A Mind the Coin alegou que suas próprias contas haviam sido fechadas no início deste ano e que seus esforços para abrir contas com outros credores domésticos também se mostraram infrutíferos. A Luso Digital Assets reportou uma situação semelhante.

Pedro Guimarães, o fundador da Mind the Coin, foi citado como lamentando:

“Embora não haja explicação oficial, alguns bancos apenas nos dizem que não querem trabalhar com empresas de criptomoedas. É quase impossível iniciar um negócio de criptomoedas em Portugal agora.”

Em abril deste ano, advogados fiscais na Espanha estavam relatando que espanhóis com participações em criptomoedas estavam “fugindo” para Portugal para escapar de impostos sobre seus lucros relacionados a tokens. Eles alertaram que a Espanha estava prestes a se tornar um “deserto cripto” à medida que o país aumenta sua regulamentação do setor.

Mas o clima mudou desde então em Portugal, com o governo agora aparentemente determinado a regular. Dois projetos de lei que propõem a imposição iminente de impostos relacionados a criptomoedas foram rejeitados no parlamento em maio, mas ambos se originaram de pequenos partidos da oposição. O partido no poder provavelmente formulará seu próprio projeto de lei, que alguns sugeriram que em breve chegará à Assembleia da República.

____

Leia mais: 

Banco Central do Uruguai cita Binance por publicidade enganosa

Robinhood multado novamente, ZB suspende saques, ApeCoin entra na Gucci + Mais notícias

---------------------