01 Fev 2022 · 3 min read

Volume de Negociação de BTC durante quedas sugere que vendas podem estar perto do fim

Embora o preço do bitcoin (BTC) tenha caído quase 50% em relação ao seu recorde histórico em novembro, e a última queda do mercado, sem dúvida, tenha sido sentida pelos detentores de BTC, uma análise dos volumes de negociação durante as recentes quedas sugere que menos moedas estão sendo vendidas desta vez do que durante a forte liquidação em maio e novembro do ano passado.

Pelo indicador do TradingView conhecido como 'Bitcoin Real Volume', apenas cerca de metade do volume de dólares foi visto durante a semana com a pressão de venda mais intensa em novembro de 2021, em comparação com maio do mesmo ano. Enquanto isso, a venda que aconteceu durante a pior semana do bitcoin em janeiro deste ano teve volumes ainda menores, mostraram os dados.

O indicador inclui o volume de negociação de bitcoin em relação ao dólar americano e várias stablecoins atreladas ao dólar em algumas das maiores exchanges de criptomoedas.

De acordo com o indicador, o volume de negociação de bitcoin na semana do crash do mercado em março de 2020 chegou a US$ 63,2 bilhões, em maio de 2021 a US$ 200,4 bilhões, em novembro de 2021 a US$ 103,6 bilhões e mais recentemente em janeiro de 2022 a apenas US$ 78,7 bilhões.

'Bitcoin Real Volume' durante quatro quedas de mercado:

A mesma tendência geral também foi refletida no indicador de volume do Blockchain.com, que rastreia os volumes de negociação de bitcoin de exchanges selecionadas. Olhando para este indicador, vemos picos de volume em março de 2020, maio de 2021, novembro de 2021 e janeiro de 2022, que correspondem a vendas de mercado nesses meses.

Assim como no indicador anterior, os dados do Blockchain.com também mostram que maio de 2021 teve a venda mais intensa em termos de volume de negociação em exchanges, com as vendas em novembro de 2021 e janeiro de 2022 se tornando menores do que o crash anterior.

Volume de negociação de Bitcoin em exchanges selecionadas, segundo o Blockchain.com:

Da mesma forma, dados de volume do par de negociação USDT na Binance, que é considerada a maior exchange de criptomoedas em volume, também mostraram que a liquidação de maio de 2021 foi a mais intensa em volume.

No entanto, uma diferença notável com os dados da Binance foi que o crash de março de 2020 veio com o segundo maior volume, seguido por novembro de 2021 e, por último, janeiro de 2022.

Volume de negociação BTC/USDT na Binance:

Com os números mostrando que maio 2021 detém o recorde em todas as fontes de dados verificadas, parece que menos moeda fiduciária foi sacada para cada queda de mercado subsequente desde aquele mês. Isso pode indicar que os detentores mais fracos de bitcoin já venderam, com os detentores mais fortes agora restantes.

A teoria de que os detentores mais fracos estão deixando o bitcoin e sendo substituídos por detentores mais fortes também foi sugerida em um relatório da empresa de pesquisa de criptomoedas Delphi Digital no início de janeiro.

Eles disseram que os detentores de longo prazo usaram os preços mais baixos de janeiro como uma oportunidade para acumular mais bitcoin. Isso pode ser visto como parte de uma transferência de “mãos fracas” de curto prazo para “mãos fortes” de longo prazo, disse o relatório.

Com a natureza volátil do bitcoin, no entanto, ninguém sabe quando a maré voltará a virar a favor dos compradores. Mas com menos vendas ocorrendo para cada mini-queda na moeda, o momento para a formação de um fundo no mercado pode estar se aproximando.

Às 13:11 UTC, o BTC estava sendo negociado a cerca de US$ 37.000 e caiu 20% em um mês, reduzindo seus ganhos anuais para 8%.
____
Leia Mais:

- Silvergate Bank pretende comprar Propriedade Intelectual da Diem por US$ 200 Milhões

- 20 Principais Mercados onde você pode comprar e vender NFTs