Dificuldade de mineração de Bitcoin atinge outra alta histórica enquanto o BTC tende a cair

Bitcoin (BTC) atingiu mais um recorde histórico (ATH) hoje, menos de um mês após o anterior, reduzindo as margens de lucro já decrescentes dos mineradores. 

A dificuldade de mineração do Bitcoin é a medida de quão difícil é competir por recompensas de mineração – e hoje subiu 5,56%, atingindo 29,79 T, segundo dados do pool de mineração BTC.com. Este é também o aumento mais forte desde janeiro deste ano. A ATH anterior foi visto no último dia de março, ou dois ajustes de dificuldade atrás, quando atingiu 28,59 T. Esta foi seguida por uma queda menor de 1%.

Enquanto isso, o hashrate do Bitcoin, ou o poder computacional da rede, também está em ascensão. Desde o ajuste de dificuldade anterior há duas semanas, ou 14 de abril mais precisamente, até 26 de abril, o hashrate médio móvel de 7 dias subiu quase 9%, de acordo com dados do BitInfoCharts.com. De fato, atingiu seu próprio ATH de 219,75E, em comparação com a alta anterior de 215,92E registrada em fevereiro deste ano.

No mesmo período entre os dois ajustes, a lucratividade da mineração de Bitcoin caiu cerca de 2%, enquanto o BTC corrigiu quase 4% em duas semanas. Ele caiu de cerca de US$ 41.500 vistos em 14 de abril para cerca de US$ 39.000 hoje.

A dificuldade de mineração do Bitcoin é ajustada a cada duas semanas (ou mais precisamente, a cada 2016 blocos) para manter o tempo normal de bloqueio de 10 minutos. O tempo médio móvel de bloqueio de 7 dias em 26 de abril foi de 9,23 minutos.

De acordo com dados da ByteTree, na semana passada, os mineradores mantiveram mais de seus BTC recém-gerados – 337 deles – em comparação com o que gastaram. A situação muda quando os períodos de 5 e 12 semanas são observados.

____

Leia Mais:

- Starbucks pretende entrar em negócios NFT

- Cerca de 50% dos proprietários de criptomoedas ​​fizeram sua primeira compra em 2021 - Gemini