Dificuldade de mineração de BTC em Alta, novas oportunidades no radar

A dificuldade de mineração de Bitcoin (BTC) parece que vai quebrar outro recorde em questão de horas, mais uma vez cortando as margens de lucro decrescentes dos mineradores. 

Às 14:47 UTC, estima-se que a dificuldade de mineração do Bitcoin, ou a medida de quão difícil é competir por recompensas de mineração, aumentará cerca de 4,19% em menos de um dia, segundo dados do pool de mineração BTC.com.

Com isso, a dificuldade atingiria um novo recorde histórico (ATH) de 28,6 T, comparada a ATH anterior de 27,97 T vista em meados de fevereiro. 

Embora a porcentagem esteja longe de ser a mais alta deste ano, é suficiente para levar ao novo recorde, pois esse aumento na dificuldade se seguirá após duas quedas consecutivas e relativamente pequenas que reduziram um pouco a dificuldade da ATH anterior.

No entanto, o hashrate, ou o poder computacional da rede, sofreu uma pequena diminuição desde o ajuste de dificuldade anterior, há duas semanas. Desde 29 de março, o hashrate médio móvel de 7 dias está quase inalterado, de acordo com os dados do BitInfoCharts.com.

No mesmo período, a lucratividade da mineração de Bitcoin subiu pouco mais de 14%, pois o preço do BTC também estava subindo, passando de US$ 40.922 em 17 de março para US$ 47.885 em 29 de março.

A dificuldade de mineração do Bitcoin é ajustada a cada duas semanas (ou mais precisamente, a cada 2016 blocos) para manter o tempo normal de bloqueio de 10 minutos. O tempo médio móvel de bloqueio de 7 dias em 29 de março foi de 9,54 minutos.

De acordo com dados da ByteTree, na semana passada, os mineradores mantiveram mais de seus BTC recém-gerados, em comparação com o que gastaram, enquanto nas semanas anteriores foi o oposto.

Às 14:50 UTC, o BTC estava sendo negociado a US$ 47.151. A queda foi de 1% em um dia e alta de 11% em uma semana.

Enquanto isso, o relatório mais recente da empresa de análise Coin Metrics observou que a mineração é “uma indústria economicamente significativa” e que, em 2021, a receita total dos mineradores de Bitcoin foi de cerca de US$ 17 bilhões. Este ano, após a repressão da China ao BTC e à mineração de criptomoedas, “os mineradores da América do Norte emergiram como os novos líderes globais da indústria”, disseram eles, acrescentando:

“2022 está se preparando para ser outro ano importante”.

Isso pode ser visto em vários fatores, incluindo:

  • O hashrate do Bitcoin estava em um ATH em 29 de março de 200 EH/s, quando medido em uma média móvel de 30 dias;
  • Mais mineradores foram incentivados a entrar online recentemente por causa da economia positiva no preço atual do BTC;
  • Os mineradores de Bitcoin registraram até agora este ano mais de US$ 3 bilhões em receita, a grande maioria proveniente de recompensas de bloco.

Os analistas concluíram que

“Mudanças tectônicas na distribuição geográfica da mineração de Bitcoin [em um ano] introduziram novas oportunidades. Uma indústria de mineração cada vez mais institucional e madura está explorando a profundidade dos mercados de capitais dos EUA, enquanto as sinergias entre a infraestrutura de energia existente e a mineração de Bitcoin estão começando a surgir.”

____

Leia Mais:

- 6 casos de uso de NFTs que (provavelmente) permanecerão após o fim do Hype

- Ucrânia agora aceita doações em 14 Criptoativos