CoinShare – Brasil contraria tendência e registra mais US$ 9 milhões em fundos

| 3 min read

CoinShare - Brasil contraria tendência e registra mais US$ 9 milhões em fundos

Segundo um relatório semanal da CoinShare, o Brasil registrou US$ 9 milhões em entradas em fundos de criptoativos na última semana. Com esse valor, o Brasil liderou os ganhos do período. Além disso, contrariou uma tendência contrária a nível global. Afinal, segundo dados do mesmo relatório, houve um recorde de US$ 942 milhões em saídas líquidas no mesmo período.

Segundo o documento da CoinShare, o total de saídas líquidas em produtos de investimento em ativos digitais é um recorde. Essa é a primeira saída depois de uma série recorde de sete semanas com entradas, que totalizou US$ 12,3 bilhões. Por fim, os volumes de negociação de ETFs tiveram valores elevados na semana, totalizando US$ 28 bilhões. Mas, segundo o relatório, esse valor corresponde a apenas dois terços do que foi registrado na semana anterior.

Correção de preços provocou hesitação nos fundos


O relatório também aponta que a recente correção de preços eliminou US$ 10 bilhões do total de ativos sob gestão (AuM, na sigla em inglês). No entanto, esse total segue acima das máximas dos ciclos anteriores, de US$ 88 bilhões.

Conforme o relatório, a CoinShare acredita que a hesitação dos investidores pode ser resultado justamente dessa correção recente de preços. Portanto, como reflexo disso, a semana fechou com entradas muito menores em novos emitentes de ETFs nos Estados Unidos.

Na semana passada, o Bitcoin (BTC) sofreu uma queda, depois de atingir um recorde de preço no início do mês. No entanto, a criptomoeda vem conseguindo recuperar seu valor, voltando à faixa de US$ 70 mil.

As principais ETFs de Bitcoin à vista seguiram registrando fluxo de entrada, embora bem menores que os da semana passada. As entradas foram de US$1,1 bilhão, o que compensou parcialmente as saídas significativas de US$2 bilhões da Grayscale na semana passada.

Sentimento desfavorável também fora dos EUA


Apesar das poucas entradas em novos emitentes de ETFs nos EUA, o sentimento desfavorável não ocorreu apenas naquele país. Afinal, Suécia, Suíça, Hong Kong e Alemanha também registraram saídas consideráveis. Elas foram de US$ 37 milhões, US$ 25 milhões, US$ 35 milhões e US$ 4 milhões, respectivamente.

Além do Brasil, o Canadá também foi na contramão desse movimento, e registrou um total de US$ 8,4 milhões de entradas.

Polkadot, Avalanche e Litecoin se destacam entre as altcoins


Dos fluxos de saída da semana passada, 96% foram em Bitcoin (BTC), com US$ 804 milhões no total. Além disso, até mesmo os fundos que operam com shorting tiveram saídas de US$ 3,7 milhões. Shorting é o investimento no qual se ganha dinheiro com a queda do preço de um ativo.

Outras criptomoedas que sofreram com o fluxo negativo incluem Ethereum (ETH), Solana (SOL) e Cardano (ADA). Elas registraram respectivamente US$ 34 milhões, US$ 5,6 milhões e US$ 3,5 milhões em saídas.

No entanto, o restante das altcoins teve um bom desempenho. O total de entradas líquidas delas foi de US$ 16 milhões. Entre as que mais se destacaram estão o Polkadot, com US$ 5 milhões, Avalanche, com US$ 2,9 milhões, e Litecoin, com US$ 2 milhões.

Leia mais: