01 Set 2021 · 2 min read

DeFi não é conceito novo e é erroneamente denominado como descentralizado - Chefe da SEC

Ao contrário da crença popular, finanças descentralizadas (DeFi) "não é realmente um conceito novo", e também um nome impróprio, pois as plataformas DeFi têm "uma quantidade razoável de centralização" que inclui mecanismos de governança, modelos de taxas, bem como sistemas de incentivos, de acordo com Gary Gensler, presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC).

Gary Gensler. Fonte: uma captura de tela de vídeo, Youtube/Bloomberg Markets and Finance

“É um equívoco dizer que eles são apenas softwares que são colocados na web”, Gensler disse ao Financial Times. No entanto, ele acrescentou que essas plataformas "não são tão centralizadas como a Bolsa de Valores de Nova York" e "é uma coisa interessante estar no meio".

As últimas observações seguem relatos de que Gensler não será um “líder de torcida” para criptos e que, depois que a SEC apertar os regulamentos sobre exchanges de criptomoedas, ele planeja voltar sua atenção para o policiamento do mundo das finanças descentralizadas.

Na entrevista, Gensler disse que permanece “neutro em tecnologia”, mas os cripto ativos não são diferentes de nenhum outro no que diz respeito à proteção do investidor, proteção contra atividades ilícitas e preservação da estabilidade financeira.

“Com um valor de cerca de $2 trilhões em todo o mundo, está no nível e na natureza que, se tiver alguma relevância daqui a cinco ou dez anos, estará dentro de uma estrutura de política pública”, de acordo com Gensler. “A história apenas diz a você, não dura muito lá fora. Em última análise, as finanças têm a ver com confiança.”

Gensler disse que seu foco em plataformas de negociação de criptos resulta do fato de que elas acomodam pelo menos 95% das atividades neste “ativo altamente especulativo”, mas oferecem proteção “realmente esparsa” aos investidores.

Ele acrescentou que os reguladores podem exercer autoridade sobre as plataformas que ele descreveu como supostamente descentralizadas. No entanto, o presidente também admitiu que isso representava um desafio para os reguladores, uma vez que tais plataformas operam sem corretores tradicionais aos quais os regulamentos poderiam ser facilmente aplicados.

Enquanto isso, Ryan Selkis, CEO da empresa americana de criptos Messari, criticou a posição de Gensler, zombando do emprego anterior do regulador como banqueiro de investimentos do Goldman Sachs.

“Goldman Gary teria esmagado a ETH em 2016 como segurança. A criptoeconomia dos EUA literalmente não existiria se ele estivesse no comando”, Selkis disse.

De acordo com ele, a "abordagem da SEC é anti-crescimento, anti-varejo (quem se sairia pior na correção de Gensler), anti-inovação e faz a suposição INSANA de que faria sentido *esperar pela permissão do governo.*"

Entretanto, o presidente da SEC deverá testemunhar hoje perante a Comissão dos Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, discutindo a cooperação transatlântica no domínio dos serviços financeiros.