13 Out 2021 · 3 min read

Especialistas discordam sobre as perspectivas de um Bitcoin ETF ainda em 2021

Receber "nenhuma notícia é uma boa notícia" para a aprovação de um fundo negociado em bolsa (ETF) com base em futuros de Bitcoin (BTC), de acordo com o analista de ETF da Bloomberg. No entanto, outros são mais pessimistas, acreditando que a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) provavelmente atrasará a aprovação de um ETF Bitcoin até 2022.

Falando para a CNBC na segunda-feira, Todd Rosenbluth, diretor sênior de ETF e pesquisa de fundos mútuos de investimento na empresa de pesquisas CFRA disse que os investidores esperançosos ainda podem ter que esperar um pouco antes que um ETF de Bitcoin seja aprovado, mesmo que o ETF seja respaldado por contratos futuros em vez de Bitcoins “físicos”. 

“É possível - na verdade, achamos que é provável - que veremos um atraso de um ETF de futuros de Bitcoin até 2022, até que o ambiente regulatório esteja mais claro”, disse Rosenbluth na entrevista em vídeo.

O pesquisador de ETF continuou dizendo que uma possível aprovação se resume a "uma questão de tempo", explicando que se as decisões sobre as propostas do ETF forem movidas para 2022, todos os produtos "podem ser lançados ao mesmo tempo em vez de [um] receber uma vantagem de pioneiro.”

Na mesma entrevista, o CEO da emissora de ETF Van Eck Associates, Jan van Eck, também observou que a principal preocupação da SEC é que ocorrerão discrepâncias entre os preços à vista e futuros do bitcoin.

“Em rallys de bitcoin, as estratégias de futuros de bitcoin podem ter um desempenho inferior em até 20% ao ano”, explicou van Eck, acrescentando que a SEC quer “alguma visibilidade nos mercados de Bitcoin subjacentes”.

A Van Eck Associates é uma das empresas que apresentou propostas à SEC para ETFs Bitcoin lastreados em futuros e também fisicamente lastreados. De acordo com uma visão geral da Bloomberg dos pedidos pendentes de ETF, 25 de outubro é a data de decisão potencial para o ETF lastreado em futuros de Van Eck.

De acordo com o próprio analista de ETF da Bloomberg, Eric Balchunas, no entanto, “nenhuma notícia é uma boa notícia” quando se trata de um ETF bitcoin, embora ele tenha dito que é “uma situação incomum”.

Escrevendo no Twitter na terça-feira, Balchunas observou que a SEC agora tem apenas alguns dias para decidir se deseja adiar ainda mais um ETF de futuros de Bitcoin. “Se [não ouvirmos] nada, o primeiro ETF arquivado (ProShares) estará livre para ser lançado em 18 de outubro.”

Ainda assim, o analista alertou a comunidade criptográfica que ela pode estar superestimando quanta demanda existe para tal ETF, dizendo que a Bloomberg espera apenas cerca de US$ 4 bilhões de demanda nos primeiros 12 meses para o fundo negociado em bolsa. O número representa apenas 1% da capitalização de mercado do Bitcoin e 3% de todos os futuros de Bitcoin negociados atualmente, de acordo com Balchunas.

Além disso, o analista também reiterou algo que a comunidade de criptografia já sabe, ou seja, que um ETF Bitcoin fisicamente protegido seria a opção preferida. A julgar pela experiência de ETFs canadenses, este também parece ser o consenso geral entre os investidores, com muito mais capital fluindo para ETFs lastreados em Bitcoins reais do que aqueles lastreados em “Bitcoins de papel” na forma de contratos futuros. 

Em uma nota semelhante, Urik K. Lykke, fundador do fundo de hedge de ativos digitais ARK36 disse ao Cryptonews.com em um comentário que as expectativas para veículos de investimento do tipo institucional “muitas vezes terminaram em um cenário 'compre o boato, venda as notícias' para o Bitcoin.”

“Raramente o produto real cumpre a esperança de facilitar a adoção institucional de ativos digitais. Por exemplo, o impacto real no mercado do muito antecipado lançamento de futuros CME em 2017 ou Bakkt em 2019 provou ser bastante decepcionante”, lembrou Lykke, acrescentando:

“Um ETF Bitcoin terá um efeito líquido positivo no desenvolvimento do espaço mas provavelmente não resultará em um aumento dramático imediato na adoção institucional de ativos digitais.”