04 Out 2021 · 2 min read

Reguladores sul-coreanos abandonando empregos por cargos em Cripto, Fintech e Finanças

O cenário regulatório continua a ficar mais difícil para empresas de criptografia na Coreia do Sul, mas um número crescente de reguladores no país está deixando seus empregos para assumir funções em fintechs e plataformas de criptografia, as estatísticas revelaram.

De acordo com Maeil Kyungjae, conseguir um cargo como regulador costumava ser visto como uma profissão fantástica, com escritórios que já foram chamados de “os locais de trabalho dos deuses” na Coreia do Sul. Mas, nos últimos tempos, muitos têm virado as costas para isso e estão atendendo aos apelos de agências de headhunters que saíram em busca de sua experiência.

O meio de comunicação disse que “só neste ano”, pelo menos 28 pessoas deixaram de trabalhar em órgãos como o Serviço de Supervisão Financeira (FSS).

Citando dados compilados pelo Comitê de Assuntos Políticos da Assembleia Nacional, o jornal informou que dois dos trabalhadores de mais alto nível (executivo) deixaram o FSS para outros cargos este ano, junto com três gerentes de alto nível, 11 gerentes de nível médio, nove gerentes juniores e um funcionário júnior.

O comitê também revelou que um terço das 84 pessoas que haviam desistido do serviço desde fevereiro de 2017 estavam empregadas em outro lugar imediatamente - efetivamente caçadas pelo setor privado.

E os mundos fintech e criptográfico estão provando ser empregadores atraentes para a equipe FSS: membros seniores do departamento de fintech do serviço e do departamento de educação financeira juntaram-se aos operadores de criptografia e à gigante fintech Kakao Pay este ano.

Um grande número de outros ex-funcionários do FSS também se juntou ao setor financeiro convencional, juntando-se a empresas operadas por conglomerados como Samsung, Hyundai e o gigante bancário Kookmin. O setor jurídico também forneceu um terreno fértil de contratação para os trabalhadores do FSS.

Os parlamentares criticaram uma tentativa de um vice-diretor do escritório do FSS de se juntar à empresa líder no mercado de exchanges de criptomoedas, Upbit, em maio, afirmando que tais movimentos corriam o risco de levar à maiores regulamentações como retaliação e alertando que "fortes conexões" entre empresas da indústria de criptografia e agências e órgãos reguladores podem causar danos à sociedade sul-coreana.

O FSS é apenas um dos órgãos encarregados de policiar os setores de criptografia e blockchain e está envolvido nas principais decisões políticas.

No entanto, não foi apenas o FSS que sofreu perdas de pessoal desse tipo. Em abril, um promotor de alto nível do Ministério da Justiça foi impedido de se juntar a uma exchange de criptomoedas não identificada - acabando sem emprego.