Lula depois de queda na Bolsa de Valores: "Mercado financeiro fica nervoso à toa!" Mercado Cripto segue com novas alternativas.

O mercado financeiro reagiu com apreensão ao discurso do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, na quinta-feira (10/11), sobre o teto de gastos e estabilidade fiscal. Queda de 4% na Bolsa e alta do dólar para R$ 5,39.

Lula soltou uma frase que provocou mais repercussão:

"O mercado financeiro fica nervoso à toa".

Para quem conhece bem o que é o mercado financeiro, já sabe que os investidores da Bolsa ficam todos atentos ao que o presidente, ou futuro presidente, fala. 

Os investidores trabalham baseados em previsões de mudanças na economia, sejam a partir de falas de lideranças ou mesmo de eventos importantes, como o resultado das eleições presidenciais. 

Foi assim na segunda-feira, 31 de outubro, dia após a vitória de Luiz Inácio da Silva (PT), educação em alta e armas em baixa.

Será um sinal de "oposição" de empresários que apoiaram o derrotado Jair Bolsonaro? E será que Lula exagerou na frase debochada? Que tipo de mercado financeiro o Lula vai encarar ao longo do mandato? Veremos o que dizem os especialistas aqui nesse artigo.

Enquanto isso, o mercado cripto ainda sente o impacto da derrocada da FTX e novas moedas seguem como alternativas.

O que Lula disse em seu discurso?

Para começar, é bom relembrar a fala do presidente eleito, durante discurso no CCBB, Centro Cultural Banco do Brasil, em Brasília, para uma plateia de parlamentares aliados:

"Por que as pessoas são levadas a sofrerem por conta de garantir a tal da estabilidade fiscal desse país? Por que toda hora as pessoas falam que é preciso cortar gastos, que é preciso fazer superávit, que é preciso fazer teto de gastos? Por que as mesmas pessoas que discutem teto de gastos com seriedade não discutem a questão social neste país?", disse Lula.

O tom da fala foi provocativo, relacionada às promessas de campanha para priorizar a política social de combate à fome. O presidente eleito chegou ao chorar, ao se referir às pessoas que passam fome no Brasil.

"É preciso mudar alguns conceitos. Muitas coisas que são consideradas como gastos neste país, precisam passar a ser encaradas como investimento. Não é possível que se tenha cortado dinheiro da Farmácia Popular em nome de que é preciso cumprir a meta fiscal, cumprir a regra de ouro", afirmou.

Lula ainda questionou por que o mercado não inclui o povo pobre nas discussões da macroeconomia:

"Sabe qual é a 'regra de ouro' (fazendo referência a um controle fiscal) nesse país? É garantir que nenhuma criança vá dormir sem tomar um copo de leite e acorde sem ter um pão com manteiga para comer todo dia. Por que o povo pobre não está na planilha da discussão da macroeconomia? Por que a gente tem meta de inflação, mas não tem meta de crescimento?"

Por que o mercado reagiu negativamente à fala de Lula?

A preocupação do mercado é que quando a despesa aumenta sem controle, pode gerar um salto na dívida pública, elevar inflação e juros, como fica claro na opinião de um dos sócios da Galapagos Capital, Fábio Guarda:

"Foi um discurso inflamado. Deu claros indícios de que o avanço sobre as contas públicas deve ocorrer, mas o que não se coloca é que países que escolheram priorizar a estabilidade social sofrem hoje instabilidade social muito maior." 

"Descontrole fiscal leva à inflação, desbalanços na economia que concentram riqueza e ferem as populações mais necessitadas."

Outra analista de mercado, Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências Consultoria, em entrevista à Globonews, também destacou a preocupação com os gastos públicos:

"O mercado está preocupado com a dinâmica dos gastos públicos. Tem que ser uma dinâmica sustentável."

A opinião do CEO da Ace Capital, Ricardo Denadai, publicada pelo Valor, segue a mesma linha de preocupaçã:

 “As falas foram totalmente contrárias a qualquer expectativa de um governo de coalizão. Também deixam a entender que o gasto e o Orçamento serão o que ele (Lula) quiser e bem entender."

"Deu a impressão de que estão caminhando para derrubar todo o arcabouço fiscal, como teto de gastos, regra de ouro, metas de resultado primário, antes mesmo de começar o mandato, sem sequer sabermos quem serão o ministro da Fazenda e a equipe econômica,” complementou.

Quais são as regras fiscais em vigor no Brasil?

Regra de ouro: uma forma de impedir que o governo faça dívidas para pagar despesas correntes;

Meta fiscal: refere-se a uma meta para o resultado das contas públicas;

Teto de gastos: evita que as despesas do governo cresçam, em relação à inflação do ano anterior. 

O que é teto de gastos e como funciona?

Já que essa foi a regra citada por Lula e que provocou a reação do mercado, vamos entendê-la um pouco mais. 

Chamada, também, de "novo regime fiscal", a PEC do teto de gastos surgiu não só para controlar as despesas do Executivo, mas também dos poderes Legislativo e Judiciário, além do Ministério Público da União e Defensoria Pública.

Ele diz respeito a despesas obrigatórias e opcionais.

O teto de gastos foi uma proposta do então presidente da República, Michel Temer, em 2016, com Henrique Meireles à frente da área econômica. O Congresso aprovou a emenda constitucional, e o teto passou a valer em 2017, com validade de 20 anos.

Naquele momento, Henrique Meirelles disse que a regra fiscal do teto de gastos não afetaria direitos da população, como publicou o G1.

"É necessário um prazo para ajustar as contas de forma gradual, sem retirar direitos, sem cortar o dinheiro dos projetos mais importantes, aqueles essenciais", disse.

O governo Bolsonaro quis alterar as regras, com o parcelamento de precatórios, com o objetivo de ter fôlego para novas despesas, como o Auxílio Brasil.

A jornalista, Natuza Nery, da Globo News, especialista em economia, explica que o teto de gastos ajuda atrair investimentos e também a controlar a inflação. 

Resposta de Lula ao mercado: "Fica nervoso à toa!"

Depois de suas declarações dadas no CCBB, Lula foi abordado por repórteres, que o questionaram sobre a reação do mercado, com a queda na Bolsa e a alta do dólar:

“O mercado fica nervoso à toa. Eu nunca vi um mercado tão sensível como o nosso. É engraçado que esse mercado não ficou nervoso com os quatro anos do Bolsonaro”, ele respondeu.

O futuro vice-presidente Geraldo Alckmin saiu em defesa de Lula, como publicou o jornal O Globo:

Depois que a reação do mercado foi divulgada na imprensa, Geraldo Alckmin (PSB), resgatou dados econômicos do governo Lula, lembrando que o petista assumiu o governo, em 2003, com uma dívida de 60% do PIB e, oito anos depois, o endividamento caiu para 40% do PIB. 

"Teve superávit primário todos os anos. Se alguém teve responsabilidade fiscal foi o governo Lula. Isso não é incompatível com a questão social. O que precisa para a economia crescer é ter investimento público e privado, recuperar planejamento no Brasil e bons projetos. Essas oscilações de mercado, num dia de hoje, têm inclusive questões externas, além das questões locais."

No mercado Bitcoin, a preocupação é com a FTX; moedas alternativas são opção

Enquanto a Bolsa de Valores do Brasil reage aos movimentos políticos regionais, a preocupação no mundo cripto é com o colapso da FTX, que surpreendeu investidores e provocou desvalorização de todas as moedas.

Paralelamente a esse cenário, surgem as novas moedas, que estão em fase de pré-venda e podem ser alternativas de investimento, pensando numa rentabilidade futura.

Conheça algumas dessas moedas e saiba como investir:

1. Dash 2 Trade - Sinais de criptografia baseados em dados inovadores e plataforma de negociação social com token de utilitário nativo D2T

Dash 2 Trade (D2T) é um novo projeto de criptomoeda que cria uma plataforma de inteligência tudo-em-um projetada especialmente para traders e investidores. 

Desde que entrou em pré-venda em 19 de outubro, o token D2T nativo do projeto arrecadou quase US$ 6 milhões, tornando-o um dos melhores lançamentos de pré-venda de criptomoedas do ano.

Dash 2 Trade oferece uma série de recursos projetados para ajudar a melhorar a taxa de sucesso de traders e investidores por meio de conselhos baseados em análises. 

A plataforma oferecerá um sistema de pontuação de ICO, uma API de negociação automática personalizável, um analisador de sentimento/menção social do comprador, um construtor de estratégias e backtester, bem como uma infinidade de métricas on-chain, incluindo os melhores sinais de criptografia.

Visite a pré-venda do Dash 2 Trade agora

2. IMPT - Projeto Revolucionário de Criptografia Verde Focado na Tokenização de Créditos de Carbono via NFTs

O IMPT é um projeto de cripto verde que visa melhorar a indústria de redução de carbono de US$ 273 bilhões, transformando créditos equivalentes à compensação de uma tonelada de carbono em NFTs. 

Esse conceito chamou a atenção de investidores focados em sustentabilidade com a pré-venda do token IMPT levantando mais de US$ 12,5 milhões em apenas algumas semanas.

Visitar o IMPT

3. Calvaria (RIA) - O setor de jogos blockchain teve alta nos últimos 18 meses. São muitos os novos projetos e um deles é o Calvaria, que está em fase de pré-venda. 

É um jogo de cartas que oferece propriedades verdadeiras de ativos no jogo. Clicando aqui, você tem acesso a um artigo que fala sobre a projeção de valorização da nova criptomoeda, o Calvaria.

O jogo se passa em um universo de fantasia, com três facções que lutam pelo controle. O jogador pode escolher de qual facção deseja participar e, então, começa a coletar cartas e criar o seu próprio baralho. É um jogo de cartas colecionáveis e que podem ser usadas em batalhas jogador contra jogador (PvP), para ganhar recompensas. 

Visitar o Calvaria 

---------------------